Carregando

CD Rael - Ainda bem que eu segui as batidas do meu coração [Digipack]


  
Frete grátis
De R$17,90 por R$8,90

Frete
Nenhuma opção encontrada para esse CEP.
Compartilhe

Descrição


Banda : Rael
Título : Ainda bem que segui as batidas do meu coração
Data de lançamento : 2013
Rótulo : Laboratório Fantasma
Formato : CD

Desde que se lançou oficialmente em carreira solo, em 2010, Rael sempre foi conhecido por agregar a seu rap vários elementos de outros gêneros musicais. Dos amigos músicos ouvia: “seu som vai além, tem reggae, tem dub, tem samba”. Aos fãs sempre agradou pelas melodias dos refrões, daqueles que ficam na cabeça.

Sim, existia o risco de acabar em uma cilada – uma grande salada de ritmos e refrões grudentos –, mas Rael soube fazer dessa marca uma virtude e com muita naturalidade.

Sendo assim, se em seu primeiro álbum, “MP3 – Música Popular do Terceiro Mundo” (2010), essas características suas não passavam batidas, em “Ainda Bem que Eu Segui as Batidas do Meu Coração”, são elas que dão o tom.

O disco está disponível para download gratuito no site raeloficial.com.

“Ainda Bem…” já nasceu com parcerias. A primeira foi com o Laboratório Fantasma, selo de Emicida, que proporcionou a ele a chance de trabalhar da maneira que queria e passou a agenciar sua carreira.

Rael decidiu também deixar de lado o sobrenome artístico que o acompanhava até então e vira e mexe o deixava em saias-justas, tendo que explicar que, apesar de ser “da Rima” e do rap – sim, sempre, com muito amor, até o final -, sua onda não é fazer freestyle.

Pois bem, definida essa primeira etapa, propositalmente, para somar com seu rap de influências jamaicanas, africanas e, mais do que nunca, brasileiras, foi convocada a dupla de produtores norte-americanos Beatnick & Salaam, que tem no currículo trabalhos com nomes como 50 Cent e Lauryn Hill, além do próprio Emicida.

Em julho de 2012, os gringos desembarcaram no Brasil e se trancaram nos estúdios da Trama, em São Paulo, com o rapper. E seguindo as batidas do seu coração Rael foi transformando em música o que amadurecia como ideias havia pouco mais de um ano.

“Semana” foi a primeira a nascer. História de amor, voz e violão. E logo vieram “Caminho”, com pegada afrobeat, impossível ouvir sem dançar. A faixa foi a primeira a ser lançada como single e ganhou um webclipe.

Para “Tudo Vai Passar” recrutou o parceiro do Pentagono MSário. “Anda” é outra para dançar.

“Leão de Judah”, “Só Não Posso”, “Diáspora”, “Pedindo pra Deus” e “Diferenças” são crônicas de um cotidiano que Rael viu de perto. “Quizumba”, que já era hit entre os fãs, pois Rael a tocava nos shows, ganhou roupagem dancehall no disco. Em fevereiro de 2014, pelas mãos de Damien Seth, veio o remix, com pegada mais brasileira.

“Ela me Faz”, lançada como single com videoclipe de Fred Ouro Preto em 2011, também entrou no repertório.

“Coração” é outra já “conhecida”. Teve seus primeiros versos registrados no clipe da canção “Vejo Depois”, mas agora ganhou continuação e o toque feminino de Mariana Aydar.

“Oya”, de Carica e Prateado, é a única que não é de sua autoria. Fã de samba, Rael já pensava, desde o início do projeto, em gravar algo do gênero. Escolhida a faixa, chamou o parceiro Emicida para somar com suas afiadas rimas e um grande sambista. Péricles, que também havia gravado “Oya” em seu álbum, aceitou na hora.  

“Causa e Efeito” é, talvez, a que melhor sintetize o momento atual do rap (e do artista), num resumo também do que é “Ainda Bem que Eu Segui as Batidas do Meu Coração”: “Pra eu viver o rap eu dei foi minha vida/Liberta várias mentes e cura várias feridas/Não consegui nada nessa vida chorando/Não arrumei nada nessa vida tirando/Não aprendi nada desacreditando/Não se conquista nada, irmão, só reclamando”, diz ele nos versos da canção.

O disco saiu do forno com um clipe: “Semana” foi a escolhida, com direito a Emicida na direção, ao lado de Felipe Rodrigues.

O show que marcou o início da tour aconteceu no Sesc Vila Mariana, em São Paulo, com ingressos esgotados, seguido por muitas outras apresentações por todo o Brasil, com casa cheia.

Em julho, a tour do novo álbum desembarcou em Nova York. Rael se apresentou na lendária casa Joe’s Pub, conhecida por revelar talentos como Amy Winehouse e Adele.  

O reconhecimento do público se tornou também de crítica: o disco foi indicado ao Prêmio Multishow, na categoria Música Compartilhada, e entrou na lista de melhores do ano da revista Rolling Stone.

Em 2014, “Caminho” foi escolhida para integrar a trilha do jogo “2014 Fifa World Cup Brazil”.

Em setembro, mais um desdobramento do disco: o clipe de “Diferenças”, disponível no YouTube e em uma inovadora versão interativa, que permite assisti-lo a partir de quatro perspectivas diferentes.

Avaliações

Faça login para escrever uma avaliação.

Avaliações sobre CD RAEL - AINDA BEM QUE EU SEGUI AS BATIDAS DO MEU CORAÇÃO (DIGIPACK)
Nota média:
(0,0) Total de avaliações: 0

Faça uma avaliação deste produto

Nota
Adicionar prós
Adicionar contras